A Fúria Feminina!

Posts com tag “sucesso

TOP 10: cantoras nacionais anos 2000

Eis aqui mais um top 10 pro nosso blog! Não sei vocês, mas eu adoro essa ideia de Top 1o. É tão bom relembrar tudo o que foi sucesso e trazer à tona toda aquela nostalgia do que foi bom, não é?

Nessa edição eu vou apresentar o Top 10 das cantoras nacionais dessa primeira década dos anos 2000!  Sou declaradamente apaixonada pela música nacional de qualidade e tenho pra mim que nós temos que valorizar o que é nosso, as nossas origens, a nossa cultura, a nossa voz! Como eu sempre digo por ai: ‘eu amo amar o nacional, eu amo amar o Brasil’.

Já que estamos em um blog feminino, nada melhor que homenagear as vozes das mulheres mais importantes da nossa música! Só para lembrar: as artistas serão apresentadas em ordem alfabética e não por ordem de preferência (até porque essa seria uma decisão difícil demais para mim). Então vamos a elas:

Adriana Calcanhoto

   Adriana da Cunha Calcanhotto. Gaúcha, cantora e compositora, o interesse pelça música começou aos 6 anos de idade, quando ganhou um violão de seu avô. Filha de um bterista e de uma bailarina, Adriana já nasceu nos palcos e cercada de arte. O estilo de Adriana é uma combinação que  dá certo: MPB, samba, bossa nova, rock, pop, baladas e seus toques pessoais e originais que criaram sua identidade! Ela fez várias regravações de clássicos da MPB. Adriana não tem medo de inventar e arriscar, tanto que decidiu se entregar à criança que existe dentro de si e se relançou como Adriana Partimpim! Esse nome é uma lembrança ao seu apelido de infância e faz a nostalgia, tanto para a cantora quanto para os fças de todas as idades! Adriana é homossexual assumida e tem um relacionamento com a cineasta Suzna de Moraes, filha de Vinícius de Moraes

Saiba mais sobre Adriana Calcanhoto!

Nos anos 2000 ela lançou Devolva-me, sucesso da época que a lançou definitivamente para o reconhecimento do público, ainda mais porque foi tema na novela Laços de Família.

Ana Carolina

    Ana Carolina Souza. Mineira de Juiz de Fora, cantora, compositora, empresária, arranjadora, produtora e instrumentista é uma das artistas mais completas do cenário nacional. Já nasceu cercada pela música, com avó cantora de rádio e avô cantor de igreja. Seu estilo oscila entre o Pop, Pop Rock, Bossa Nova, Samba e MPB e a mistura é sempre excepcional. Desde 1999, ela já lançou 9 álbuns e é uma das cantoras que mais vende no país e leva o Brasil para o cenário internacional. Ana é conhecida por sua voz inigualável e pelos timbres e tons que consegue atingir. A mineira já cantou com nomes como Seu Jorge, Milton Nascimento, Chico Buarque, Roberto Carlos e outros.

Saiba mais sobre Ana Carolina

Garganta foi o primeiro sucesso de Ana Carolina a estourar nas rádios e fazer o povo cantar suas canções! Várias de suas músicas estiveram nas trilhas sonoras de novelas.

Céu

  Maria do Céu Whitaker Poças. Paulistana, cantora, variedade de estilo. É o que define  a música de Céu. Ela começou a carreira em 2002 com influências do samba, hiphop, afrobeat, jazz e não gosto do título MPB, acha que fcou limitado. Em 2009 lançou seu segundo álbum, Vagarosa, sucesso na crítica internacional. As vendas foram de  25 mil cópias na Europa e 100 mil nos Estados Unids, enquanto no Brasil poucos conhecem o seu nome. A Rolling Stone elegeu  álbum como o melçhor de 2009. Filha de um maestro e de uma artista plástica, aos 15 anos decidiu pela carreira musical. Céu já recebeu várias indicações e premiações e é um grande nome da música brasileira no cenário internacional.

Saiba mais sobre Céu.

A música Cangote faz parte do álbum “Vagarosa” e foi eleita a segunda melhor música de 2009 pela revista Rolling Stone.

Fernanda Takai

Fernanda Barbosa Takai. Amapaense, mineira de coração e criação, musicista, cronista, cantora, compositora,vocalista da Banda Patu Fu. A carreira solo  começou em 2007, mas o sucesso veio com a repercussão da banda. Fernanda foi sucesso no vocal de Patu Fu be levou a banda para o exterior e em 2001 entrou na lista das 10 melhores cantoras do mundo pela Revista Time e o Patu Fu estava entre as melhores bandas do planeta. Fora da música, ela escreve em um blog e colabora com crônicas nos jornais Correio Brasiliense e O Estado de Minas, além de ser escritora. Fernanda imprimiu ao Patu Fu uma mistura entre o som pesado da banda com seu timbre de voz suave e característico.

Saiba mais sobre Fernanda Takai e o Pato Fu e conheça seu blog!

Ando meio desligado é uma das músicas de maior sucesso na voz de Fernanda Takai. Regravação de uma canção de Os Mutantes, foi tema da novela Um Anjo Caiu do Céu e deixou o Pato Fu cair nas graças do público.


Ivete Sangalo

   E quem nunca ouviu falar de Ivete Sangalo? O sucesso da baiana começou com a Banda Eva, no início dos anos 90, mas foi na carreira solo que ela se consolidou. O principal estilo de Ivete é o axé, mas suas músicas também tem o pop e o romântico nas composições. Ela já cantou com nomes internacionais como Alejandro Sanz, Nelly Furtado e Brian McKighnt. Com o DVD ao vivo no Maracanã, de 2007, Ivete se tornou símbolo da música nacional, e agora, em 2011 deu mais um passo em sua carreira com o show no Madison Square Garden, em Nova York.

Saiba mais sobre Ivete!

A música Festa simboliza a carreira e a importância de Ivete para o Brasil tanto que foi escolhida como hino do pentacampeonato brasileiro na Copa de 2002.

Maria Gadú

    Mayra Corrêa Aygadoux, simplesmente, Maria Gadu. Paulistana, seu verdadeiro nome é de origem francesa e começou a cantar e compor aos 13 anos de idade. Em 2009, aos 22 anos ela lançou seu primeiro álbum e chamou a atenção de nomes importantes da música como Caetano Veloso, Milton Nascimento e Ana Carolina. O ponto de partida para o sucesso foi a gravação de Ne Me Quitte Pas que surpreendeu os críticos. Foi assim que Caetano Veloso propôs uma turnê com a cantora. E ela aceitou, é claro!

Conheça um pouco mais de Maria Gadu!

A música Shimbalaiê foi a primeira composição de Gadu, escrita quando ela tinha 10 anos de idade. A música foi tema da novela Viver a Vida e levou Gadu para o conhecimento do público.

Maria Rita

    Maria Rita Costa Camargo Mariano, simplificando, Maria Rita. Paulista, cantora e produtora musical, ela começou sua carreira somente aos 24 anos de idade. Maria Rita é filha de Elis Regina, que dispensa apresentações e isso foi um peso no começo de sua carreira pelo medo das comparações e cobranças que viriam. Mas logo de cara, ela mostrou que não era simplesmente uma sombra da mãe, mas sim dona de sua própria voz. No estilo da MPB com um toque original de samba ela conquistou uma série de prêmios e fãs no Brasil e no mundo.

Conheça um pouco mais sobre Maria Rita!

Em 2007 a música Tá Perdoado, de Arlindo Cruz e Franco foi sucesso na voz de Maria Rita e tema da novela Duas Caras, caindo no gosto popular.

Marisa Monte

    A voz que levou a MPB a um de seus níveis mais altos e ao reconhecimento internacional da nossa música: Marisa Monte. Marisa é carioca, cantora, compositora, instrumentista e produtora musical no estilo da MPB e do Pop. Ela fez parte dos Tribalistas, junto com Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown, mas preferiu a carreira solo. Ela já vendeu mais de 10 milhões de discos e ganhou prêmios importantes como o Grammy Latino, Video Music Brasil, Prêmio Tim de Música, além de ser considerada a melhor cantora brasileira pela revista Rolling Stone.

Conheça um pouco mais de Marisa Monte!

Amor I Love foi a música mais tocada do ano 2000, rendeu um Grammy Latino para o álbum, a indicação de Melhor Canção Brasileira e foi tema na novela Laços de Família!

Roberta Sá

  Roberta Varela Sá nasceu em Natal, capital do Rio Grande do norte. Cantora brasileira adotou os estilos da MPB, sama e bossa nova. Por influência da família, principalmente dos pais ela se aventurou no mundo da música já aos 9 anos de idade. Pra quem não se lembra Roberta participou do reallity show musical Fama, na Rede Globo.  Roberta não se adpatou ao estilo e foi eliminada na quarta semana. A partir dai foi lançada para o sucesso. Ela lançou o primeiro cd em 2005 (Braseiro) e, em 2007, o álbum Que belo estranho dia pra se ter alegria lhe rendeu os prêmios de melhor álbum e melhor cantora. Roberta é uma das noves femininas que está caracterizando a música brasileira de qualidade aqui e lá fora. Saiba mais de Roberta Sá!

A música Mais Alguém foi tema das novelas Negócio da China e Viver a Vida! A aprovação de Roberta pelo público foi imediata e ela caiu nas nossas graças!

Vanessa da Mata

Vanessa Sigiane da Mata Ferreira. Matogrossense da pequena Alto Garças, cantora e compositora. Já lançou cinco álbuns e um cd/dvd ao vivo, gravado em Paraty (RJ). Vanessa é descendente de índios Xavantes e cresceu cercada pela natureza do Mato Grosso e sempre ouviu de tudo um pouco na rádio da avó. Não foi a toa que se tornou autodidata na música. O primeiro sonho de sua vida era passar no vestibular de medicina, mas logo descobriu que gostava mesmo era de cantar e começou nos barzinhos aos 15 anos de idade. Ela jáganhou prêmios como o Multishow e o Grammy Latino.

Saiba mais de Vanessa da Mata!

Em 2008 a música Amado foi sucesso! Ela estava na trilha sonora da novela A Favorita e tocava em todas as rádios!

Essas foram as minhas escolhas para representar o TOP 10 das nossas vozes femininas! Mas é claro que existem muitos talentos que não citei por mera falta de espaço (senão o post ficaria mais gigante do que já está) e justamente por ser um TOP 10 (haha).

Mas tenho uma coisa a propor: deixem nos comentários outros nomes de cantoras brasileiras que fizeram sucesso nessa primeira década dos anos 2000! Vamos homenageá-las juntos! Pode ser?

Helena Ometto

Helena Ometto


Um pouco mais de Maria Bethania

No dia 20 de março eu postei uma matéria aqui no blog sobre a polêmica que foi gerada em torno de Maria Bethania e o ministério da Cultura, o MinC, para a produção de seu blog “O Mundo Precisa de Poesia”.

O blog ainda é motivo de repercussões na mídia. Hoje, 06 de abril, o Jornal do Brasil postou em seu portal na Internet uma matéria sobre o Ministério da Cultural criticando a programação musical das rádios. A ministra da cultura, Ana de Holanda, falou sobre essa questão e aproveitou a oportunidade para fazer uma declaração à respeito do blog de Bethania.

O Jornal do Brasil publicou a seguinte fala de Ana de Holanda:  “Todo mundo gosta da Bethânia. Ela tem capacidade de obter recursos [sem a necessidade da Lei Rouanet], mas a iniciativa privada está muito viciada e só dá [dinheiro] mediante lei de incentivo. Não compete ao ministério fazer uma avaliação de qualidade, se [o projeto] é bom ou não. Agora, acho que todo mundo ter acesso a 365 gravações da Bethânia lendo poesia, que está tão esquecida, é interessante. O valor eu não vou discutir porque foi analisado por comissões específicas”. A ministra ainda fez questão de dizer que a Lei Rouanet deve ser “aperfeiçoada” para evitar que os empresários possam escolher os projetos em que vão investir pensando somente no lucro que terão em termos de publicidade.

Ana de Hollanda: a nossa ministra da cultura

Uma curiosidade, Ana disse que não é responsabilidade do Ministério da Cultura julgar a qualidade e o comprometimento artístico do projeto, mas somente direcionar as verbas para os vários projetos de todas as regiões do país de maneira justa.

Mas enfim, enquanto o blog de Maria Bethania não entra na rede, nós da equipe do TPMidia fizemos questão de relembrar a carreira musical dessa artista no nosso primeiro programa veiculado pela Radio Unesp Virtual. No quadro “De volta para o Futuro” contamos os sucessos de Bethania.

Pra começar, nada melhor do que Fera Ferida, clássico indiscutível de Bethania! Lembrando que as músicas foram colocadas por ordem de preferência e não cronológica!

Maria Bethania nunca foi tão criticada ao longo de sua carreira de nada menos que 46 anos como agora, por causa do blog. A baiana é a segunda artista feminina em vendagem de discos no Brasil e a maior da MPB, com mais de 26 milhões de cópias vendidas.

Maria Bethania Viana Teles Veloso nasceu no dia 18 de junho de 1946, na cidade de Santo Amaro da Purificação, Bahia. É a filha caçula de Dona Canô e Sr. Zezinho. Quem escolheu seu nome foi ninguém menos que Caetano Veloso, seu irmão, 4 anos mais velho. Nota-se que a vocação para a música é coisa de família!

Caetano, Dona Canô e Bethania

Em 65, Bethania conheceu Nara Leão e fizeram uma parceria. Dessa junção de vozes femininas surgiu uma nova etapa na carreira e com ela o primeiro sucesso nacional e popular de Bethania: Carcará.


A marca de Bethania é mesclar as músicas com trechos de poemas e textos literários. Essa foi sua maior inovação musical, conquistando um público fiel. Ao mesmo tempo em que essa característica é admirável em Bethania, ultimamente foi o maior alvo das polêmicas.

Em 76, Bethania criou o grupo Doces Bárbaros com Gil, Caetano e Gal. O disco dos baianos virou tema de filme, DVD, enredo da Mangueira em 94 e até uma apresentação especial para a rainha da Inglaterra. Um dos grandes sucessos da banda hippie foi Fé cega, faca amolada.


A partir dos anos 70 Bethania lançou outros grandes sucessos como Explode Coração, uma gravação da música de Gonzaguinha que ganhou o público e inspirou até uma novela na Rede Globo.


Em 2005, Bethânia lançou seu último cd. Foi uma homenagem a Vinicius de Moraes intitulado Que Falta Você Me Faz. O disco traz músicas de Vinicius e, mais uma vez, o diferencial de Bethânia: poemas e textos intercalados às musicas.

Bethânia comemorou 40 anos de carreira em uma turnê pelo Brasil e exterior com o show Tempo, tempo, tempo, tempo. O álbum trouxe seus maiores sucessos, entre eles a interpretação de Olhos nos Olhos, de Chico Buarque.


Nessa semana, Bethania subiu no palco da Faap para fazer a leitura de poemas no mesmo estilo em que serão postadas no futuro blog. Foi sua primeira aparição pública profissional depois das polêmicas geradas em torno do blog e do Ministério da Cultura.

Talvez essa apresentação tenha entrado para o hall dos shows mais tensos de sua carreira. Segundo pessoas da platéia, Bethania estava visivelmente nervosa e apreensiva e a produção pediu a contratação de mais dois seguranças pessoais.O clima ficou um pouco tenso, mas ao final da apresentação Bethania foi aplaudida e teve até pedido de bis.

Isso mostra que a população não é contra os projetos culturais, muito pelo contrário, o público apóia e aplaude iniciativas como a de Bethania, mas o problema é a origem da verba milionária: o dinheiro público.

Helena Ometto